Schipperke

Categoria 0 Comentários 13 Fevereiro, 2018

Classificação F.C.I.

Grupo 1 – Cães Pastores e Boiadeiros (Exceto Boiadeiros Suíços)

Seção 1 – Cães Pastores. Sem prova de trabalho

País de Origem: Bélgica

Nome da Raça em seu país de origem: Schipperke

História da Raça

No dialeto Flemisch, Schipperke quer dizer “pequeno pastor”. A origem do Schipperke vem do século XVII. O mesmo antepassado do Pastor Belga Groenendael e do Schipperke foi provavelmente um cão pastor chamado “Leuvenaar”, uma raça antiga, de porte compacto e cor preta, que eram muito usados como guardas em balsas que faziam a travessia entre as cidades de Bruxelas e Antuérpia.

Em 1960 foi o cão favorito dos trabalhadores e sapateiros do bairro St. Gery, em Bruxelas, onde organizavam competições para mostrar os complicados trabalhos de colares de metal com os quais adornavam seus cães.

Sua cauda era completamente cortada, uma moda que parece existir desde o Século XV. Ele era conhecido como caçador de camundongos, ratos, toupeiras e outros roedores.

O Schipperke foi apresentado em Exposição pela primeira vez em 1882 na cidade de Spa. Tornou-se o cão da moda graças a rainha Marie-Henriette da Bélgica. Foi introduzido na Inglaterra e nos Estados Unidos em 1887.

O primeiro padrão foi estabelecido em 1888 pelo Clube responsável pela raça na Bélgica. Através dos anos, grandes esforços foram feitos para unificar o tipo. Naquela época haviam discussões a respeito das diferentes variedades vindas de Anvers, Louvain e de Bruxelas.

Aptidão / Temperamento

Schipperke

O Schipperke é um cão pastor de pequenas dimensões mas solidamente construído. Sua cabeça é em forma de cunha, com um crânio bem desenvolvido e um focinho relativamente curto.

Seu corpo é bem balanceado, curto, largo e atarracado, mas seus membros são de ossatura fina. Sua pelagem é muito característica, com pelos abundantes, retos, formando uma juba, crina, colar e culotes que lhe dão uma silhueta verdadeiramente única.

Sua correta morfologia aliada às suas características e temperamento de cão pastor, e adicionado ao seu pequeno tamanho explica sua grande popularidade que se estende bem além das fronteiras da Bélgica.

Não se engane pelo seu tamanho diminuto: o Schipperke é um pequeno cão de guarda, de excepcional atenção, de intensa vitalidade, indiferente com estranhos.

Ativo e sempre em movimento, ágil, infatigável, sempre interessado ao que se passa ao seu redor, inclinado a morder, caso alguém se aproxime de objetos por ele guardados.

Muito dócil com crianças, se mostra sempre curioso ao que se passa por trás de uma porta fechada ou atrás de um objeto que se mova, mostrando sua reação com um latido agudo, sua crina enriçada e com os pelos do dorso arrepiados. Ele é um cão curioso que caça ratos, toupeiras e outros roedores que porventura ousem invadir o seu território.

Devido às suas tendências de vigilância, eles podem latir em excesso se não forem ensinados a se conter desde novos. Igualmente felizes em um apartamento ou em uma casa com um grande jardim, eles devem ser exercitados para gastarem a grande quantidade de energia que possuem.

Expectativa de Vida: de 12 a 15 anos.

Cuidados Específicos / Doenças mais Comuns

Schipperke

O Schipperke é um cão que costuma ter boa saúde e ser bastante forte, mas pode ser acometido pela Síndrome de Sanfilippo, luxação da patela, Síndrome de Legg-Calvé-Perthes, catarata, problemas na tireoide e alguns problemas na pele, como alergias.

Em geral, por volta dos 4 meses, os filhotes perdem a pelagem mais felpuda que possuem e a trocam por uma mais grossa, que passa a ser a definitiva de quando ficarão adultos. Os pelos requerem escovação frequente, para que não se criem nós, sendo que os banhos devem ser ministrados apenas quando necessários.

Características Físicas

De acordo com a CBKC, o Schipperke é um cão de tamanho pequeno/médio, possuindo as seguintes principais características:

Schipperke

  • Tamanho/peso: De 3 a 9 kg, sendo que a altura deve ser proporcional ao peso.
  • Cabeça: Lupóide, em forma de cunha, mas não muita longa e larga o bastante para ficar balanceada com o corpo. Os ossos das arcadas superciliares e bochechas, são moderadamente arqueadas. A passagem entre a região craniana para a região facial é visível, mas não deve ser pronunciada demais.
  • Trufa: Pequena, sempre preta
  • Maxilares/Dentes: Saudáveis, bem inseridos. Mordedura em tesoura; em torquês é tolerada. Dentição completa de acordo com a fórmula dentária. A falta de um ou dois pré-molares 1 (1PM1 ou 2PM1) ou do pré-molar 2 (1PM2) é tolerado e os molares 3 (M3) não devem ser considerados.
  • Olhos: Marrom escuros, pequenos, amendoados, não muito profundos, nem globulosos; agudos, olhar vivo e malicioso, bordas das pálpebras pretas.
  • Orelhas: Eretas, muito pequenas, pontudas, triangulares (as mais equilaterais possíveis). Inseridas altas mas não muito próximas uma da outra, firmes e extremamente móveis.
  • Cauda: Inserida alta. Alguns cães nascem completamente sem ela (anuro) ou com uma rudimentar ou incompleta cauda (cotó ou cauda curta). Não pode ser penalizado por isso. Em repouso, a cauda natural (alcançando pelo menos os jarretes), é, preferivelmente, pendente e pode estar elevada quando o cão estiver em movimento, portada em nível com a linha superior, mas de preferência, não portada mais alta. Uma cauda curvada ou portada sobre o dorso é tolerada.
  • Pelo: A pelagem é abundante, espessa e reta, suficientemente áspera, com uma textura fina, seca e resistente ao toque, formando uma excelente proteção junto com o subpelo que é macio e espesso. Pelos rasos nas orelhas, curtos na cabeça, na parte da frente das pernas anteriores e nos jarretes. No corpo, o pelo longo é bem assentado. Em torno do pescoço, o pelo é mais longo e mais arrepiado, começando nas bordas externas das orelhas, formando, especialmente nos machos, mas também nas fêmeas, um longo e típico “tufo” (pelos compridos ao redor do pescoço, em tufos de cada lado), uma “juba” (pelos longos em cima do pescoço, prolongando-se até a cernelha e mesmo nos ombros) e um “jabô” (pelos longos abaixo do pescoço e no peito, estendendo-se por entre as pernas anteriores e desaparecendo gradualmente abaixo do peito.) Atrás das coxas, longos e abundantes pelos cobrem a região anal, cujas pontas são voltadas para dentro, em uma forma muito típica para os culotes. A cauda é guarnecida com pelos do mesmo comprimento que os do corpo.
  • Cor: Totalmente preto. O subpelo não precisa ser completamente preto, pode ser também cinza escuro, contanto que esteja completamente escondido pela pelagem de cobertura. Um pouco de cinza é tolerado, por exemplo, no focinho devido à idade.

Curiosidades

Schipperke

O Schipperke é um dos menores cães pastores do mundo, sendo considerado como se fosse um “mini” Pastor Belga Groenendael (embora sejam raças completamente diferentes), tanto é que ambos ocupam a mesma posição no ranking de inteligência canina (as duas raças ocupam o 15º lugar no livro denominado “A Inteligência dos Cães”, do autor Stanley Coren).

A raça também é uma das únicas em que podem se nascer exemplares completamente sem cauda (nesse caso, os cães são chamados de “anuros”), ou com cauda incompleta, sendo que o padrão aceita ambas as formas.


Tags: Business Design Technology

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *