Pastor Alemão

Categoria 0 Comentários 30 Janeiro, 2018

Classificação F.C.I.

  • Grupo 1 – Cães Pastores e Boiadeiros (Exceto Boiadeiros Suíços)
  • Seção 1 – Cães Pastores. Sujeito à prova de trabalho para Campeonato Internacional
  • Nome da Raça em seu país de origem: Deutscher Schäferhund

História da Raça

As primeiras notícias concretas da raça remontam do século X, quando monges escoceses fundaram uma abadia no Vale de Münter, na Alemanha. Para lá foi levado um tipo de cão que se misturou aos lobos existentes na região, e deste cruzamento surgiu um cão rústico que foi usado pelos camponeses para pastoreio. Em 1891 houve o primeiro movimento real para separar este cão dos demais cães de trabalho.

Idealizador e criador da raça, fundador do clube hoje WUSV: Max von Stephanitz, nascido em 30 de dezembro de 1864.

Max von Stephanitz dedicou-se ao seu próprio ideal, ele queria um cão que servisse ao homem em múltiplas utilidades. Trabalhou neste sentido e definiu as normas para o standard da raça, onde só existem variações de cor e tipo de pelo.

O cão pastor alemão foi classificado como cão de utilidade em 22 de abril de 1899 com a fundação do clube, onde o Capitão de cavalaria Max von Stephanitz foi o primeiro presidente, e após um ano dedicou-se energicamente na direção do jovem clube.

Nesta época, a Alemanha e toda a Europa de um modo geral, passava por um período muito favorável à cinologia, o que contribuiu decisivamente para o desenvolvimento de algumas raças naquela época.

Nesta época, a cinologia da Alemanha era dominada pelos cães de caça, tradicionalmente ocupada pela burguesia e pela nobreza.
Foi então que Max von Stephanitz apresentou um novo conceito para a cinologia, o qual se baseava em um cão utilitário, com múltiplas facetas e funções.

Depois de se firmar como raça estabelecida, com homogeneidade entre os cães existentes, o Pastor Alemão foi duramente atingido na primeira Guerra Mundial, onde aproximadamente 7000 exemplares foram mortos – número bastante elevado para a época e até para os dias de hoje, levando-se em consideração que se tratava de uma raça relativamente nova.

Após a guerra, o período foi marcado por grande insegurança social, momento em que a população ansiava por segurança, motivo pelo qual o Pastor Alemão tornou-se um excelente artigo de exportação, o que elevou o número de sócios do clube de criadores de 5900 em 1918 para 57000 em 1923.

A excessiva criação pode ser reduzida com a introdução de um critério de seleção de animais para a reprodução, tanto para machos como para fêmeas nos anos de 1922 e 1923. Esta excessiva criação motivou-se devido à necessidade de reembolsar a França 2600 exemplares da Raça Pastor Alemão.

No dia em que completava 37 anos o clube perde seu fundador, porém seu trabalho continuou. Mesmo durante a divisão da Alemanha, os dois lados seguiram fielmente o exemplo do fundador do clube e trataram de manter e melhorar a raça.

O Pastor Alemão é a raça que possui o maior clube cinólogo para uma só raça. O clube hoje se chama União Mundial de Pastores Alemães (WUSV) e tem sede na Alemanha.

Alguns programas de TV ajudaram e muito a ampliar a fama do Pastor Alemão, sendo provavelmente o mais famoso o cão “Rin Tin Tin”, que estrelou diversos filmes e séries nas décadas de 20 e 30.

Hitler inclusive possuía uma cadela da raça, chamada de “Blondi”.

Aptidão / Temperamento

O Pastor Alemão é, como já mencionado, um cão muito versátil, podendo ser utilizado para diversas funções.

Alguns criadores se dedicam à determinadas linhas de sangue para se obter os chamados “cães de trabalho” (“working dogs”, em inglês), que possuem funções desde a guarda patrimonial, até pastoreamento de ovelhas e cães policiais/militares, incluindo neste último item não apenas o ataque/proteção, mas também farejamento de drogas e de pessoas em escombros, por exemplo.

Tal versatilidade o coloca como uma das raças mais inteligentes do mundo, ocupando atualmente o 3º lugar no livro denominado “A Inteligência dos Cães”, do autor Stanley Coren.

Espera-se, portanto, que o Pastor Alemão seja um cão ativo, destemido, sempre apto ao trabalho (não se esquecendo que para os cães utilizados exclusivamente como “pets”, “trabalhar” significa, muitas vezes, sair para passear! Daí o Pastor Alemão ser um cão sempre disposto para atividades físicas), além de ser um animal muito devoto ao seu dono e à sua família, sendo, pelas características gerais já mencionadas, naturalmente reservado com estranhos (daí ser amplamente utilizado para guarda).

Importante destacar que ser “reservado” com estranhos não significa ter uma agressividade acentuada e sem motivo. O Pastor Alemão é um cão que pode tranquilamente ser ensinado a receber visitas (desde que acompanhados pelo dono, obviamente), sem atacar o “intruso”.

Pode ser tranquilamente um cão familiar, convivendo com idosos e crianças, necessitando, neste último caso, sempre da companhia/supervisão de um adulto, como acontece com qualquer raça de porte grande, eis que os cães involuntariamente podem derrubar as crianças mais novas nas brincadeiras e machucá-las sem intenção.

Com tantas qualidades assim, não é de se estranhar que o Pastor Alemão seja considerada a 3ª raça mais popular do mundo, de acordo com levantamento feito pelo site “dogtime.com”!

Cuidados Específicos / Doenças mais Comuns

O Pastor Alemão é um cão muito rústico, apresentando, em geral, boa saúde. Entretanto, como todos os cães de porte grande, o Pastor Alemão pode sofrer de torção do estômago e principalmente displasia coxofemoral, o que, dependendo do grau, pode trazer bastante sofrimento para o cão.

Importante, portanto, antes de adquirir um filhote, pedir para o proprietário do canil exames que comprovem a ausência de displasia dos pais (sendo ideal que os mesmos sejam “HD –“), eis que tal doença é geneticamente transmissível.

Assim, mesmo que se adquira um filhote saudável e de procedência, os donos devem tomar cuidados com pisos muito escorregadios, sendo ideal que o animal fique a maior parte do tempo em solo firme (“solo firme” em sentido amplo, compreendendo-se neste definição grama, calçada, piso antiderrapante, etc.), para que não venha a causar danos nos animais. Importante notar ainda que cães que ficam a maior parte do tempo em pisos como os já citados e com boa aderência, costumam gastar naturalmente as suas unhas, chegando até a ponto de ser desnecessária o corte das mesmas.

A raça ainda pode sofrer com doença ocular, como a mielopatia degenerativa (MD); e com deficiência do pâncreas, restringindo a capacidade de digerir os alimentos e levando à perda de peso.

Características Físicas

De acordo com a CBKC, o Pastor Alemão é um cão de tamanho médio/grande, de forma ligeiramente “retangular”, com boa ossatura e musculatra.

  • Tamanho: A altura na cernelha equivale a 60 a 65 cm para cães machos e é de 55 a 60 cm para as fêmeas. O comprimento do tronco excede a medida da altura na cernelha em aproximadamente 10-17%.
  • Peso: Machos: 30 a 45 kg. Fêmeas: 22 a 32 kg.
  • Trufa: Preta.
  • Dentição: Forte, saudável e completa (42 dentes, de acordo com a fórmula dentária). A mordedura do Pastor Alemão é articulada em tesoura, isto é, os incisivos da maxila superior se sobrepõem àqueles da mandíbula inferior.
  • Olhos: De tamanho médio, amendoados, sutilmente oblíquos e não proeminentes. A cor dos olhos deve ser o mais escuro possível. Olhos claros e penetrantes, que alterem a expressão natural do Pastor Alemão, são indesejáveis.
  • Orelhas: Eretas, de tamanho médio, portadas elevadas e alinhadas (não inclinadas lateralmente); as extremidades são pontiagudas e com as aurículas voltadas para frente.
  • Pelo: O Pastor Alemão é criado nas variedades de pelo com camada dupla e de pelo externo longo e duro, ambas com subpelo.
  • Cor: São pretos com marcas marrom avermelhado, marrom e amarela, até a cinza claro. Preto unicolor ou cinza com um sombreado mais escuro (encarvoado); máscara e manto pretos. Pequenas e imperceptíveis marcas brancas no antepeito, bem como uma coloração interna mais clara são permitidas, mas não desejadas. A trufa deve ser preta em todas as cores de pelagens. Cães com máscara ausente, cor dos olhos clara ou penetrante, bem como com marcas claras ou esbranquiçadas no antepeito e na face interna dos membros, unhas claras e ponta da cauda avermelhada são considerados falta de pigmentação. O subpelo apresenta um leve tom acinzentado. A cor branca não é admitida.

Curiosidades

Pastor Alemão Suíço

Importante destacar que, como ocorre em diversas outras raças, cores e pelagens “indesejadas” costumam surgir em ninhadas de pais que possuem o padrão esperado para a raça.

Assim, no Pastor Alemão, em algumas cruzas, era comum surgir cães inteiramente brancos (mas não albinos), sendo que tais filhotes costumavam ser descartados para criação.

Entretanto, por ser um cão extremamente bonito (e consequentemente, desejado pelas pessoas), alguns criadores começaram a separar esses cães e cruzá-los entre si, obtendo novas ninhadas de animais inteiramente brancos.

Foi desse modo que se originou uma nova raça, chamada atualmente de “Pastor Branco Suíço”.

Existem outras cores que não são aceitas pelo padrão internacional, mas que foram obtidas por alguns criadores (não se sabendo aí se existiu de fato introdução de outra raça nos cruzamentos para obtenção da coloração diferenciada), como o Pastor Alemão “Panda” e Pastor Alemão “Fígado” (uma variante de tonalidade inteiramente castanho/vermelha).

Pastor Alemão PandaPastor Alemão Fígado

Também existem variações de pelo longo (indesejável para a raça) e de cães “gigantes”, se assemelhando ao porte de cães como Malamute do Alasca.

Nos dias de hoje existem críticos ferrenhos da atual forma física do Pastor Alemão, pois alguns criadores alegam que a raça foi muito descaracterizada com o tempo, perdendo um pouco a sua função original e se tornando um cão de “show” (exposições de beleza) para agradar as pessoas.

Tal crítica não é exclusiva desta raça, sendo que muitas outras mudaram bastante com o tempo, podendo citar como exemplo o Mastim Napolitano (que ganho rugas em excesso, ficando um cão bem mais pesado do que o original) e o Bull Terrier (que teve sua cabeça excessivamente “ovalada” com o tempo).

Especificamente no tocante ao Pastor Alemão o que se critica é que a parte traseira ficou muito “caída” em comparação com os exemplares antigos, como observamos das imagens comparativas abaixo:

Pastor Alemão OriginalPastor Alemão Atual


Tags: Business Design Technology

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *