Cão da Montanha dos Pireneus

Categoria 0 Comentários 13 Fevereiro, 2018

Classificação F.C.I.

Grupo 1 – Cães Pastores e Boiadeiros (Exceto Boiadeiros Suíços)

Seção 1 – Cães Pastores. Sujeito à prova de trabalho para Campeonato Internacional

País de Origem: França

Nome da Raça em seu país de origem: Chien de Montagne des Pyrénées

História da Raça

Presente nos Pireneus desde tempos imemoriais, conhecido na Idade Média e utilizado como guardião de castelos, ele foi mencionado por Gaston Phoebus no século XIV. Já apreciado como cão de companhia no século XVII, conheceu a glória na corte de Luís XIV.

A primeira descrição detalhada desse cão, data de 1897 no livro de Comte de Bylandt. Dez anos mais tarde, foram criados os primeiros Clubes da raça e, em 1923, na reunião dos Amadores dos Cães Pireneus, por iniciativa de Mr. Bernard SÈNAC-LAGRANGE, registrou-se o padrão oficial através da S.C.C. (Société Centrale Canine). O padrão atual é ainda muito próximo do padrão elaborado em 1923, e são, sobretudo, as precisões que foram trazidas de lá.

Aptidão / Temperamento

Cão da Montanha dos Pireneus

Utilizado para assegurar, sozinho, a proteção do rebanho contra os ataques dos predadores, sua seleção foi feita baseada nas suas aptidões para a guarda e dissuasão, e seu apego ao rebanho.

As principais qualidades consequentemente são a força e a agilidade, como também a meiguice e o apego aos que são protegidos por ele. Esse cão de guarda tem uma propensão à independência e um senso de iniciativa que exigem da parte de seu dono uma certa autoridade, motivo pelo qual não é exatamente a raça indicada para donos inexperientes ou que não consigam se impor.
Tal temperamento também pode qualificá-lo como um pouco “teimoso” e difícil de adestrar. Não que a raça não seja inteligente. Muito pelo contrário. A sua independência faz com que eles só obedeçam quando estão com vontade.

A sua longa pelagem de cor clara lhe confere um aspecto “fofo”, mas, como vimos, não se trata de um cão que aceitará estranhos dentro do seu território com facilidade.

Mesmo assim, é uma raça dócil e extremamente protetora com os membros da família.

Cuidados Específicos / Doenças mais Comuns

O Cão da Montanha dos Pireneus é muito rústico, apresentando, em geral, boa saúde. Entretanto, como todos os cães de porte grande, a raça pode sofrer de torção do estômago e principalmente displasia coxofemoral, o que, dependendo do grau, pode trazer bastante sofrimento para o cão.

Como existem poucos exemplares no Brasil e o mesmo foi desenvolvido em regiões mais frias, a raça também sofre um pouco para se adaptar ao nosso clima tropical.

Expectativa de Vida: Por volta de 10 anos.

Características Físicas

De acordo com a CBKC, o Cão da Montanha dos Pireneus é um cão de tamanho grande.

Cão da Montanha dos Pireneus

  • Tamanho: A altura na cernelha equivale a 70 a 80 cm para cães machos e é de 65 a 75 cm para as fêmeas.
  • Cabeça: Não muito forte em relação ao tamanho do cão. Suas laterais são bastante planas.
  • Trufa: Inteiramente preta.
  • Maxilares/Dentes: A dentição deve ser completa, os dentes saudáveis e brancos. Mordedura em tesoura (os incisivos superiores encobrindo os inferiores sem perder contato); a mordedura em torquês é admitida assim como os dois incisivos centrais inferiores projetados para a frente.
  • Olhos: Mais para pequenos, amendoados, ligeiramente oblíquos, de expressão inteligente, contemplativos e de cor marrom âmbar. As pálpebras não são jamais frouxas e possuem as bordas pretas. O olhar é meigo e sonhador.
  • Orelhas: Inseridas na altura dos olhos; bastante pequenas, de forma triangular e arredondadas nas extremidades. Elas caem retas contra a cabeça e são portadas um pouco mais altas quando o cão está atento.
  • Cauda: Ela desce, no mínimo, até a ponta do jarrete. É espessa e forma um penacho. Portada baixa quando em repouso, com sua extremidade formando, de preferência, um gancho. Quando em atenção, ela se levanta sobre o dorso, arredondando fortemente, e somente sua extremidade toca o lombo (“fazendo a roda”, segundo a expressão usada pelos montanheses dos Pireneus), quando em alerta.
  • Pele: Espessa e flexível; ela apresenta muitas vezes manchas pigmentadas sobre todo o corpo.
  • Pelo: Denso, liso, bastante longo e flexível, bastante áspero sobre os ombros e no dorso, mais longo na cauda e ao redor do pescoço onde ele pode ondular ligeiramente. O pelo do culote é mais fino, mais lanoso e muito denso. O subpelo é igualmente denso.
  • Cor: Branca ou branca com manchas de aparência cinza (pelo de texugo ou de lobo), ou amarelo claro ou laranja na cabeça, nas orelhas, na raiz da cauda e às vezes sobre o corpo. As manchas texugo são as mais apreciadas.

Cão da Montanha dos Pireneus


Tags: Business Design Technology

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *